item1.gif (417 bytes)
item2.gif (369 bytes)
item3.gif (380 bytes)
item4.gif (431 bytes)
item5.gif (758 bytes)

Nutricional
Minerais

Sanitário
vacinas
Vermes e Vermífugos
Os riscos do homem
Manejo Geral
Os lotes
A identificação
A Tropa
Sinuelos
Pastos e Sub-Divisões
Vacas amojadas
Recém nascidos
Mamando
Desmame
Estresse da desmama
Desmame precoce
Recria
castração
Manejo reprodutivo

Reprodução
Fertilidade
Fecundação
Sanidade na reprodução
Cuidados com os machos
Cuidados com as fêmeas
Principais
enfermidades

Brucelose
Leptospirose
IBR-IPV
BVD
Trichomonose
Campilobacteriose
Estação Reprodutiva
Estação reprodutiva de novilhas
Estação reprodutiva
de vacas

Primíparas
Descanso pós parto
Descarte
Idade
A infertilidade e o aborto
Habilidade materna
Reposição de matrizes
Eficiência reprodutiva
Diagnóstico de
gestação

Comentários

Introdução Assistência
veterinária

Cursos de I.A.
Inseminador

Embalagens de sêmen
Pellets
Ampola
Minitubo
Palheta média Palheta fina

0
0

Manejo com o botijão
Distribuição de temperaturas no botijão

Ovários
Trompas uterinas
Útero
Cornos uterinos
Corpo uterino
Colo ou cérvix uterina Vagina
Vulva

Puberdade
Ciclo estral

Pré cio
Reconhecimento do cio
Cio
Momento ideal de inseminar
Pós cio
Anestro fisiológico
Anestro
Puerpério fisiológico
Hemorragia de metaestro
Cio de encabelamento
Cio silencioso
Gestação
Intervalo parto-concepção
Intervalo entre partos

Com palheta média, palheta fina ou minitubo
Com ampola


 

6.4.4. DESCARTE

Os principais critérios para o descarte de matrizes são: a idade, infertilidade e a inabilidade materna, diminuição da produção de leite, intervalo entre partos prolongado, dentre outros.

6.4.4.1. A IDADE

O descarte pela idade atinge matrizes normalmente com mais de 10 anos, pois as mesmas passam a desmamar bezerros mais leves, além de terem maior dificuldade de emprenhar. Considerando-se 4 anos a idade média para a primeira cria, e o descarte com 10 anos de idade, a vaca deixa, em média, de 4 a 5 crias.

É uma produção que muito pode ser melhorada se reduzir a idade à primeira cria e o intervalo entre partos, conforme já vimos anteriormente.

6.4.4.2. A INFERTILIDADE E O ABORTO

A infertilidade é traduzida pela não concepção e está associada a diversos fatores, como a repetição de cios (apesar de serem cobertas por touros reconhecidamente férteis ou inseminadas pela técnica correta, ocorre o retorno do cio), anestros prolongados (pós-parto, desequilíbrio nutricional, piômetras etc.), defeitos congênitos (genéticos), infecções genitais, uso impróprio de medicamentos, estresse, etc., sendo que na maioria dos casos a causa principal é o desequilíbrio nutricional ou a restrição alimentar.

A estes fatores negativos também estão associados os abortos que podem ocorrer por diversas causas, como por exemplo os agentes infecciosos, fetos com defeitos genéticos, mumificados ou macerados, toxinas, estresse, uso impróprio de medicamentos, desequilíbrios nutricionais, manejos inadequados (transportes), prenhes gemelar, acidentes traumáticos (porteiras de mangueiros, quando dos apartes e até mesmo os provocados, etc.).

Definir o diagnóstico da causa do aborto é essencial para determinar o destino da matriz e as medidas profiláticas aplicáveis ao rebanho, caso sejam necessárias, para a sua prevenção.

As vacas vazias (após terem sido inseminadas ou cobertas) ao "toque" (diagnóstico de gestação) ou as de baixa produtividade, após a estação reprodutiva, devem ser descartadas, a fim de ,com isso, fazermos a pressão de seleção por fertilidade e habilidade materna. Isto normalmente ocorre no início do período seco.

Embora tendo como principal fator da baixa fertilidade, o fator nutricional, não está diretamente relacionado ao descarte, mas sim, à fertilidade.

6.4.4.3. HABILIDADE MATERNA

A habilidade materna (capacidade de criar bezerros sadios e desmamá-los pesados), embora muitas vezes não levadas em consideração, traz prejuízos de enorme monta.

Matrizes que não desmamam bezerros pesados são ditas sem habilidade materna, não sendo consideradas boas mães.

Os motivos geralmente são: por defeitos de úbere como o de possuir peitos muito grossos (onde o recém nascido tem dificuldade de "pegar"); ou peitos secos por inúmeras causas; não produzir leite suficiente; além da natural diminuição de produção de leite pela idade avançada; mães as que enjeitam (rejeitam) bezerros, dentre outras causas.

Temos que separar estas condições da simples restrição alimentar (falta de alimento suficiente para satisfazer as necessidades), o que faz com que estas causas todas se agravem.

Todas elas contribuem para a mortalidade na fase de aleitamento, diminuindo a produção, e isto é motivo mais do que suficiente para serem descartadas.