item1.gif (417 bytes)
item2.gif (369 bytes)
item3.gif (380 bytes)
item4.gif (431 bytes)
item5.gif (758 bytes)

Nutricional
Minerais

Sanitário
vacinas
Vermes e Vermífugos
Os riscos do homem
Manejo Geral
Os lotes
A identificação
A Tropa
Sinuelos
Pastos e Sub-Divisões
Vacas amojadas
Recém nascidos
Mamando
Desmame
Estresse da desmama
Desmame precoce
Recria

castração
Manejo reprodutivo

Reprodução
Fertilidade
Fecundação
Sanidade na reprodução
Cuidados com os machos
Cuidados com as fêmeas
Principais
enfermidades

Brucelose
Leptospirose
IBR-IPV
BVD
Trichomonose
Campilobacteriose
Estação Reprodutiva
Estação reprodutiva de novilhas
Estação reprodutiva
de vacas

Primíparas
Descanso pós parto
Descarte
Idade
A infertilidade e o aborto
Habilidade materna
Reposição de matrizes
Eficiência reprodutiva
Diagnóstico de
gestação

Comentários

Introdução Assistência
veterinária

Cursos de I.A.
Inseminador

Embalagens de sêmen
Pellets
Ampola
Minitubo
Palheta média Palheta fina

0
0

Manejo com o botijão
Distribuição de temperaturas no botijão

Ovários
Trompas uterinas
Útero
Cornos uterinos
Corpo uterino
Colo ou cérvix uterina Vagina
Vulva

Puberdade
Ciclo estral

Pré cio
Reconhecimento do cio
Cio
Momento ideal de inseminacaor
Pós cio
Anestro fisiológico
Anestro
Puerpério fisiológico
Hemorragia de metaestro
Cio de encabelamento
Cio silencioso
Gestação
Intervalo parto-concepção
Intervalo entre partos

Com palheta média, palheta fina ou minitubo
Com ampola


 

20. CONCLUSÕES FINAIS

Espero que através deste trabalho, algumas dúvidas possam ter sido sanadas, e o prezado leitor sinta e perceba que a Inseminação Artificial não é ,em absoluto, um "bicho de sete cabeças". É sim, uma técnica simples para ser empregada com segurança e, principalmente, eficiência, trazendo, com sua aplicação, enormes benefícios aos criadores, inseminacaodores e à pecuária nacional.

Se por algum motivo um ou outro criador não obteve o esperado sucesso com a Inseminação Artificial, com certeza não foi bem orientado ou não conduziram a técnica de forma correta.

O que desejo, honestamente, com este trabalho é que a técnica de Inseminação Artificial seja bem conduzida e, com competência para se obter de tudo o máximo rendimento e proveito. Desta forma, julgo colaborar para construir uma pecuária mais rentável e produtiva, e que possa alcançar expressivo índice de respeito e reconhecimento.

Considero de extrema importância que o criador, antes de optar pela técnica, procure o profissional capacitado na área, a fim de que ao optar pela I.A. esteja ciente das condições que deverão ser observadas, ao implantar o programa, e que esta opção consciente, crie todas as situações ao bom andamento dos trabalhos.

Lembro que, basicamente, todos os í tens aqui mencionados e considerados não são, exclusivamente, exigências da I.A. Deixo claro que, para se obter sucesso em regime de monta natural, é necessário que algumas destas mesmas providências sejam tomadas e aplicadas.

Os dois sistemas de criação (Inseminação Artificial ou Monta Natural controlada ou não) diferem muito pouco um do outro e, quando associados, trazem o retorno esperado.

Cabe a você fazer a sua escolha. As condições para o bom funcionamento estão aí. Cada um colherá os resultados de acordo com o interesse dispensado.