item1.gif (417 bytes)
item2.gif (369 bytes)
item3.gif (380 bytes)
item4.gif (431 bytes)
item5.gif (758 bytes)

Nutricional
Minerais

Sanitário
vacinas
Vermes e Vermífugos
Os riscos do homem
Manejo Geral
Os lotes
A identificação
A Tropa
Sinuelos
Pastos e Sub-Divisões
Vacas amojadas
Recém nascidos
Mamando
Desmame
Estresse da desmama
Desmame precoce
Recria

castração
Manejo reprodutivo

Reprodução
Fertilidade
Fecundação
Sanidade na reprodução
Cuidados com os machos
Cuidados com as fêmeas
Principais
enfermidades

Brucelose
Leptospirose
IBR-IPV
BVD
Trichomonose
Campilobacteriose
Estação Reprodutiva
Estação reprodutiva de novilhas
Estação reprodutiva
de vacas

Primíparas
Descanso pós parto
Descarte
Idade
A infertilidade e o aborto
Habilidade materna
Reposição de matrizes
Eficiência reprodutiva
Diagnóstico de
gestação

Comentários

Introdução Assistência
veterinária

Cursos de I.A.
Inseminador

Embalagens de sêmen
Pellets
Ampola
Minitubo
Palheta média Palheta fina

0
0

Manejo com o botijão
Distribuição de temperaturas no botijão

Ovários
Trompas uterinas
Útero
Cornos uterinos
Corpo uterino
Colo ou cérvix uterina Vagina
Vulva

Puberdade
Ciclo estral

Pré cio
Reconhecimento do cio
Cio
Momento ideal de inseminacaor
Pós cio
Anestro fisiológico
Anestro
Puerpério fisiológico
Hemorragia de metaestro
Cio de encabelamento
Cio silencioso
Gestação
Intervalo parto-concepção
Intervalo entre partos

Com palheta média, palheta fina ou minitubo
Com ampola


 

12.2.11. CIO SILENCIOSO

Também ocorre em pequena porcentagem no rebanho. É assim chamado porque o animal não apresenta nenhum sinal externo de cio passando por isso desapercebido do inseminacaodor.

O simples fato de, após uma Inseminação não ocorrer o retorno ao cio, não significa obrigatoriamente gestação positiva, o que só pode ser confirmado mediante diagnóstico de gestação em tempo hábil.

Geralmente ocorre por alimentação desequilibrada, excesso de proteína, manejo inadequado, excesso ou carência de fósforo, além de outros fatores que levam a um distúrbio hormonal.

Podemos suspeitar de cio silencioso ao examinarmos a ficha do animal e constatar repetições de cio a intervalos maiores, porém múltiplos de 21. Por exemplo: repetições de cio com 42, 63 dias, etc..

Esta repetição verificada com freqüência nos indica a uma suspeita de estar havendo falhas na observação de cio. Isso nos leva a pensar e concluir que, na prática, é até bom não detectar esse tipo de cio, pois geralmente ele não é acompanhado de ovulação.